4.2 Panfletos

Giovanni Onetto estava encantado a olhar para as imagens enviadas por e-mail.

  • Cores acertadas – pensou.  Tenho de verificar os tamanhos e imprimir.

Enviou os ficheiros para a impressora, enquanto que se certificava sobre os suportes.

  • Bem, não irei dizer nada – olhando para os esboços com alguma incerteza – o Fabrízzio irá visualizá-los no circulo e logo nos dará um parecer mais expedito – decidiu.

Contornou a mesa de centro da sala, quase transformada em pequeno centro de operações e alcançou a impressora laserjet. Não fosse o aparador de 1,80m em nogueira herdado da sua avó paterna cheio de loiça de porcelana de época, que se impunha no centro da parede lateral direita em relação à porta principal de entrada na divisão em tudo o mais, desde o sofá junto à mesa, à estante e até mesmo a certas partes da superfície do chão, se vislumbravam papéis, revistas e croquis espalhados numa aparente mistura desordenada, mas verdadeiramente acessíveis a uma consulta rápida ou a um reavivar de planos.

Giovanni observou as folhas impressas, uma por uma, e depois colocou-as à distância, em diferentes mas equidistantes pontos do compartimento. Deslocou-se seguidamente até ao centro da sala e rodou lenta e pausadamente até chegar à posição inicial.

  • Fantástico! – pensou ao apertar alternadamente cada uma das mãos. Parece que cada um dos panfletos tem o impacto suficiente, quer na mensagem, quer graficamente, até mesmo à distância. E concluiu de si para si – Sem serem demasiado agressivos no tom e nas frases – congeminou sorrindo. Aliás, o verdadeiro ‘senão’ poderá vir a ser esse – a menor agressividade! A ala Donnati não vai gostar… Ora veremos!

Correu para o computador. Rapidamente enviou um ‘sms’ de aprovação para Francesca e ele próprio partilhou os documentos com a nota “Aprovado” “Sujeito a comentários”. A seguir colocou a máquina em ‘stand-by’ e saiu do apartamento.

::::::::::§::::::::::

Francesca Caprezzi ouviu a sinalização de entrada de ‘sms’ no seu telemóvel ao longe. Estava a atender uma cliente, uma senhora na faixa dos trinta de discurso fluído, muito perfumada e convenientemente vestida. Prosseguiu com o atendimento, prestando esclarecimento a todas as questões da cliente o que demorou cerca de 15 minutos. No final, lamentou de si para si, que a senhora tenha saído da loja sem realizar qualquer compra.

Acorreu ao seu telemóvel e sorriu de satisfação ao ler a mensagem de Giovanni.

Na sua inocência de recém-chegada ao Movimento, assumiu que o seu trabalho estaria concluído. Engano de principiante: apenas tinha começado.