3.7 Anthony Sims

Anthony Sims (o Belga) era um homem baixo e ligeiramente curvado. Moreno, o único traço que poderia identificá-lo seria o seu imenso cabelo preto, de um tom demasiadamente focado para a sua real idade.

Uma primeira impressão levaria qualquer um a pensar que se tratava de um conversador incansável, dada a sua propensão para o diálogo de circunstância, acerca de pequenos ‘nadas’ do quotidiano.

Duncan Alby tinha contudo ficado desde logo alerta e acertara. Assim que o tema era mais sério mesmo que não respeitasse ao processo, Anthony esquivava-se, brincava, mudava tacitamente de assunto quase parecendo assolado de um peculiar desinteresse, de um lapso de memória ou de uma imensa distração.

Os parcos pormenores do caso tinham sido conseguidos à custa de horas a fio de conversa e incontáveis insistências e ainda assim, Duncan recusava-se a acreditar que todos os pontos relevantes estivessem em seu poder.

Qualquer questão pertinente sobre o negócio do Belga ou uma questão mais direta sobre a contabilidade mensal apenas conduziam a um disperso rol de acontecimentos aparentemente desconexos com episódicas alusões a pessoas, das quais não havia certezas de nomes e tão pouco da sua atual situação ou localização.

Tempo. O tempo tratará de me fazer vislumbrar um rumo. – pensava Duncan Alby. A investigação irá prosseguir e surgirão certamente novos dados.

Enquanto isso, o Belga, permaneceria no seu aparente trato descontraído – polvilhado de momentos de um nervosismo exagerado – e com as suas desconcertantes frases episódicas.

Agora havia que ultimar elementos para a audiência.